A passada terça leu-se por todo o lado que já era possível usar o Google Transit com conteúdos para Lisboa, das redes da Carris e Metro.

Eu logo me questionei o porquê de não haver informação acerca dos comboios da CP, e hoje obtive a resposta. Numa conversa com uma responsável da CP, presente na feira-propaganda na FIL, ouvi que a Google não os convidou e no dia de apresentação oficial ela não pôde ir por ter já de ali estar. No seu entender será para breve que as linhas da CP estarão integradas também, e palpitou que talvez a Google Inc. tenha os evitado por a rede urbana da CP em Lisboa ser “mais complexa”.
Ora eu diria que não. Infelizmente a rede de Lisboa é até demasiado simples e tem uma “mão cheia” de rotas e horários.

Mas com isto ligo a outra nuance na notícia de terça: os cabeçalhos de que “Lisboa era 2ª na Europa”. Shame on you, jornalistas de copy-paste! É que bem claro na página principal do serviço se pode ler que há cidades de 8 países europeus, e que na Áustria toda a rede nacional foi disponibilizada pela congénere ÖBB. Era isto que já agora a CP também podia fazer. Melhor que pensar em como centrar a sua oferta apenas em Lisboa, mostre-nos toda a sua rede. É que acima de tudo, estar no google maps é uma publicidade brutal à sua oferta e ainda existe muita gente que pensa que não há comboios em Lisboa ou perto de si.

Ainda dentro do tópico “informação acessível sobre horários”, perguntei-lhe para quando algo como a aplicação java offline da DB. Disse-me que estão a desenvolver algo parecido. Será bem vindo algo que não implique custos num telemóvel (como o Google Transit).

Acabo a falar do Metro. Porquê não ter informação sobre horários? É que apenas frequências não chega para calcular soluções intermodais. É que assim não consegui encontrar qualquer percurso onde me fosse sugerido o metro. Mas noutro post hei de mostrar o que é possível em sistemas de metro que são mais do que galerias de arte.